Telemóveis, perigos móveis: proteja as crianças dos telefones celulares

O telefone celular em todas as suas iterações - desde pré-pago até smartphones - tornou-se comum em todo o mundo. De acordo com a agência de telecomunicações das Nações Unidas, a UIT, haverá mais de 5 bilhões de assinaturas de telefones celulares até o final deste ano.

Pesquisar as soluções - Proteger as crianças on-line é uma indústria em crescimento. Há uma série de produtos comerciais disponíveis que podem ajudar a manter seus filhos seguros. Produtos como Safety Web e Net Nanny permitem que você monitore as atividades on-line do seu filho e o que está sendo postado sobre eles, ambos vitais, em um momento em que as crianças podem enviar mensagens, fotos e até vídeos de qualquer lugar que tenham serviço celular. Outros produtos como os telefones celulares Guardian Angel ou Firefly oferecem serviços sem fio que você pode controlar, para evitar que seus filhos acessem conteúdo que preferiu evitar.

– Ella H. Wells

Os mercados de celulares ficaram saturados, deixando as empresas sem fio pouca escolha, mas buscar novos mercados inexplorados. Seus principais alvos? Crianças. De acordo com Mediamark Research and Intelligence, o número de crianças de 6 a 11 anos que possuem um telefone celular quase dobrou de 2005-2009, atingindo 20% no ano passado. Na faixa de 10 a 11 anos, os números são ainda maiores em 36%.

Mas, como com praticamente qualquer tecnologia nova, os telefones celulares - ou o uso indevido deles - podem representar um perigo. Para as crianças, esses perigos podem vir na forma de ataques cibernéticos, sexting e predadores online. Para os pais, muitas vezes é uma questão de não ser tão experiente em tecnologia e informada quanto as crianças, deixando-as no escuro quanto ao que realmente está ameaçando seus filhos.